You are currently viewing Qual é o Caminho do Futuro no Presente?

Qual é o Caminho do Futuro no Presente?

Qual é o Caminho do Futuro no Presente?

É importante recordar que, com o processo da Revolução Industrial, a partir de 1850, tivemos uma alteração histórica na emissão de gases de efeito estufa (GEE) no planeta. O problema é que as projeções para o futuro não são animadoras caso não se tenham mudanças profundas na estrutura do desenvolvimento dos países. Por isso, falamos de desenvolvimento sustentável ou Sustentabilidade Inteira, título de minha teoria nessa área.

O planeta se encontra em um dos momentos mais importantes de sua história. Em outros momentos no passado, a sociedade precisou se reinvertar e reorientar as relações para prosseguir. De tempos em tempos, faz-se necessário rever conceitos, valores e práticas para que a qualidade de vida seja garantida para as gerações do presente e as do futuro. O dilema entre desenvolver preservando as condições para o presente e o futuro já foi falado por Carl von Carlowitz há 300 anos na Alemanha. Ele foi o cidadão que pela primeira vez usou a palavra sustentabilidade, Nachhaltigkeit. Sua preocupação no passado continua sendo a nossa no presente. Ou reestabelecemos novos projetos de desenvolvimento que preservem a inteireza da vida em todas as suas dimensões, ou pagaremos um preço muito alto.

Eu chamo de “Sustentabilidade In-sustentável” a prática de desenvolver poluindo e matando tudo o que se tem ao redor. É insustentável porque não o desenvolvimento não se preocupa com a dimensão inteira da vida. Na compreensão clássica de sustentabilidade, explica-se que o desenvolvimento econômico precisa proporcionar o desenvolvimento social com a preservação do meio ambiente. Na Sustentabilidade Inteira, defendo que é importante rediscutir o desenvolvimento humano. O ser humano é o grande gestor de todo esse processo. A sociedade nos últimos 500 anos formou uma concepção de ser humano separado e sobre a natureza. Essa postura justificou modelos de desenvolvimento e relação na qual o ser humano retirava os bens do meio ambiente para seu uso e devolvia o restante à natureza como lixo. Na Sustentabilidade Inteira, propõem-se o reestabelecimento dessa relação na qual o ser humano não está sobre a natureza, mas com a natureza. Essa relação é baseada no respeito e no amor assim como nossos avós faziam na roça. Eles acompanhavam as estações do ano, sabiam quando ia chover, colhiam o alimento e não se viam fora dos ciclos da natureza. Isso faz uma grande diferença quando se fala de respeito e cuidado. Nas cidades interioranas, se tinha a consciência prática da relação entre o ser humano e natureza. Essa nova postura advinda do conceito da sustentabilidade inteira deverá fomentar a criação de modelos educacionais que poderão ser inseridos nos ensinos fundamental, médio e superior. O cidadão também deverá compreender essa nova postura e aplicá-la no dia. As famílias também ensinarão os filhos desde cedo. Os gestores, educadores, empresários, artistas e CEOs deverão mudar o paradigma de gestão de seus negócios. Todas as áreas precisarão ser atingidas por essa nova forma de se relacionar uns com os outros e de implementar o desenvolvimento na sociedade.

Já chegamos num momento no qual se percebe claramente a necessidade de se criar outras modalidades de sustentar a qualidade de vida na sociedade. Em cidades sustentáveis, será inadmissível que uma cidadã perca 4 horas no dia e 20 horas na semana apenas no deslocamento ao trabalho. A tarefa de mudar e construir novos projetos de cidades eficientes e sociedades humanizas jamais pode ser responsabilidade de um segmento. Pelo contrário, todas as áreas da sociedade são convocadas a discutir, propor e assumir novos estilos de vida. Só chegamos onde chegamos porque, no passado, diante das grandes bifurcações da vida, os cidadãos foram ousados para repensar o rumo e assumir com esforço e resistência as novas posturas que preservam o jogo inédito da vida. Pensando nesse aspecto, criei um tipo de gestão econômica chamada de Negócio Sócio-Sustentáveis WTS. Nele, o condiciona o lucro está condicionado à capacidade criativa e coletiva de solucionar problemas socioambientais e investir em projetos culturais com potencial de multiplicação solidária. Duas experiências piloto já foram executadas.

Finalizo relembrando que os cientistas e pesquisadores do IPCC (International Panel on Climate Change) afirmam que, se não fizermos as mudanças hoje, teremos graves problemas climáticos amanhã. É por isso que sempre falo que todas as áreas da sociedade serão atingidas e precisaremos de líderes preparados para os desafios de nossa época.

Dell Delambre, PhD. (Coach WTS e Consultor em Sustentabilidade)

Indicação de Coach WTS:

Fujhara, Marco; Lopes, Fernado. (Orgs). Sustentabilidade e Mudanças Climáticas: guia para o amanhã. São Paulo: Terra das Artes Editora: Editora Senac. 2009.

(Visited 133 times, 4 visits today)

Dell Delambre

Coach WTS e Consultor em Sustentabilidade. Premiado pela UNESCO e no Jornal Folha Dirigida. Doutor, Conferencista e Professor Universitário.

Deixe um comentário