Memória de Leon Tolstoi. Espetáculo Amor e Ódio em Sonata

Seria praticamente impossível descrever em uma página os símbolos e as dimensões antropológicas, sociais e artísticas presentes nos temas da peça “Amor e Ódio em Sonata”, que faz um recorte sobre a vida do escritor russo Leon Tolstoi. Por isso, esse espetáculo faz parte daqueles que começam no palco e continuam nos espaços da vida. Alias, essa é uma característica fundamental, que um dia deverá pesquisada para compreender os fios condutores das montagens do diretor Leonardo Talarico. A forma como Talarico constrói a inteireza do espetáculo oferece elementos teóricos e práticos para uma discussão consistente sobre a transição entre Modernidade e Pós-Modernidade, não apenas na arte e no teatro, mas sobretudo, nas outras ciências no que se refere à construção de uma teoria conhecimento condizente com as demandas do novo milênio. Continuar lendo…

Chico Pinheiro e Dell Delambre: Sustentabilidade como Estilo de Vida

O restaurante La Fiorentina no Leme, Rio de Janeiro, reduto histórico de artistas, intelectuais, escritores, músicos, atores e outras personalidades, o repórter Chico Pinheiro recebeu meus convidados para um “Papo de Improviso” na concepção da filosofia e teoria dos “Fios Sustentáveis – FioS”. Os jovens foram estimulados a sonhar e podiam fazer perguntas sobre carreira, profissão e projeto de vida. Continuar lendo…

Transitar é Preciso para Sustentabilidade Inteira

O contato com a natureza é uma das maiores riquezas para Sustentabilidade Inteira, o desenvolvimento solidário, pessoal, coletivo e ecológico. O paradigma da Modernidade, com o antropocentrismo de um lado e a força do capital e da produção do outro, logrou um “modus operandi” de relacionamento egoísta, que encarou o outro ser humano como competidor e a natureza como um lugar para ser explorado. O ser humano precisa, portanto, transitar. Mas como fazer? Continuar lendo…

Estrutura Mental Destrutiva. Como Sair Dessa?

Do ponto de vista teológico, antropológico ou pela física quântica, é possível perceber a existência de uma dimensão obscura, negativa e caótica no Universo e em todo ser no planeta. Existe uma grande diferença entre o paradigma de interpretação da realidade dos séculos passados chamado de Modernidade e o paradigma da Pós-modernidade do século atual. Alguns autores podem ser consultados para esse aprofundamento, dentre eles, Fritjof Capra, Jean-Francois Lyotard e outros. Dimensão negativa pode ser uma das explicações para a presença de uma Estrutura Mental Destrutiva em algumas pessoas e líderes.

Olhando pela complexidade, essa dimensão negativa, que possui diferentes nomes dependendo da área cientifica, faz parte de uma complexidade que traz certa coerência, movimento, morte e vida na Terra. Ela está integrada numa área onde parece que o negativo é parte de um todo muito maior. Continuar lendo…